~Brevíssima nota sobre as Cartas de Jogar em Portugal~

 Existem notícias de cartas de jogar em Portugal, desde finais do século XV. O seu padrão gráfico era diferente dos existentes na actualidade e perdurou cerca de 400 anos, isto é, até finais do século XIX. De provável origem italiana, é conhecido internacionalmente como «cartas do dragão» ou «cartas portuguesas». Enviado para todo o mundo nas nossas naus, já no século XVI era fabricado pelos japoneses que, ainda hoje, continuam esse padrão e jogam com as «unsun karuta».

~ Apesar da proibição de se jogar, há inúmeros textos que nos deixam uma imagem de reis, fidalgos e plebeus a jogar às cartas, conhecendo-se, também, os nomes de alguns fabricantes. A partir de 1603, com Filipe II, é instituído o Contrato das Cartas de Jogar e Solimão, negócio monopolista de fabrico e venda de cartas, que perdurou em mãos particulares até 1769, ano em que o Marquês de Pombal fundou a Real Fábrica de Cartas de Jogar, anexa à Impressão Régia, para a qual passou o contrato. Foram tais os lucros gerados pelo negócio das cartas de jogar que, durante muito tempo, sustentou a impressão de livros e de impressos de vários ministérios.

~ Em 1820, o monopólio foi extinto e liberalizado o fabrico. Em Portugal, poucas são as cartas que subsistiram, existindo, no entanto, em vários museus da especialidade por todo o mundo.

 

Published in: on Fevereiro 17, 2010 at 11:48  Deixe um Comentário